segunda-feira, 6 de julho de 2009

Una furtiva lacrima



É por uma imensidão de motivos - e também pelo vazio deles - que chego na hora definitiva da lágrima.
Essa lágrima que já chorava dentro de mim antes de sair.
Que não queria chegar ao extremo da fuga.
Não queria se perder de todas as outras que fatalmente conhecerão o lado de fora dos meus olhos.
Não é apenas dor que transborda.
É sangue que vaza incolor.
É o que há em mim de inocente, de crédulo.
Chorar é retornar um pouco à infância.
É esperar o colo e a cura.
É acreditar que é a última vez.
Mas a lágrima continua caindo e fugindo e se perdendo de mim.
Seca no rosto alterado.
Quase arde.
Quase queima.
Porque sempre dói.
A lágrima é sempre salgada.
Nenhuma lágrima sabe ser doce.

10 comentários:

Ju Sizinando disse...

Biiii
Que tristeza é essa? Esses olhos ficam muuuito mais lindos quando sorriem. Algum problema, amiga?
Saudades!!!

Concha disse...

O problema é quando ela aparece e nós nem estavamos à espera...e torna-se incontrolável.

mãe disse...

Não quero te ver tão triste assim !!!!!!!!!!! ( como diz na música do Robertinho ) .
Fizeste a descrição exata de uma lágrima triste , sentida , dolorida , mas que olhos como os teus não merecem derramar ...jamais !!!!!!!!!!!
te amo

Mariana disse...

É verdade que a lágrima é salgada, às vezes amarga, mas, depois que ela seca e que a alma cicatriza, há sempre a possibilidade do sorriso e da doçura. E, viva, percebe-se quase sempre que a lágrima purgou algo podre de nossas vidas, mesmo que, na ocasião do choro, a gente não conseguisse ver nem entender isso.
Ah! E chorar lubrifica os olhos, o que é bom!
;)

andre disse...

Bem, adorei mesmo...uouuu, tou sem palavras...
agora vou passar a dar uma olhada...

passa no meu, não te vais arrpender, acho eu:)......subapacima.blogspot.com

Aguinaldo Medici Severino disse...

Bianca,
deus conta as lágrimas das mulheres

"Men should be careful lest they cause women to weep, for God counts their tears.

The Talmud: Selections
H. Polano[1876]
Parte 4, página 294
http://www.sacred-texts.com/jud/pol/index.htm

Niléa disse...

Pior que nem uma lágrima é doce, apesar de algumas vezes chorar de tanto rir!! Beijo prima!!!

andre disse...

oi bianca,
parabéns mesmo pelo blog, escreves muito bem, tens uma escrita pensada...sei la, eu amei tanto que nem tenho palavras de jeito que sirvam para descrever.

Mas este poema da lágrima deixou-me a mim próprio largar uma lágrima depois de o ler, falo a serio...;)

Aquela parte de “É sangue que vaza incolor“ e “Nenhuma lágrima sabe ser doce“ ta lindo lindo lindo....

Ah e o comentário do meu poema Ser, fiquei a pensar naquilo...

olha beijo
agora vou passar aqui muitas vezes :)

Priscila disse...

Lindo texto...
Mas sorria sempre, mesmo que a vida as vezes, force o contrário. Difícil é, mas só depende de nós.
Bjs!

Anônimo disse...

Bia! Você escreve tão bem. Até falando de uma lágrima triste ficou lindo! Você consegue colocar muito amor em suas palavras! Beijos
Sua Vizinha