terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Poor girls... Poor girls???


Tenho algumas amigas que orgulhosamente têm um “espírito de homem” guardado em si. Não tão guardado assim. Na verdade, elas não escondem, fazem questão de expor em diversas ocasiões. Não me refiro ao lado masculino que as mulheres têm, diretamente correspondente ao lado feminino que todo homem tem. Também não quero dizer que são mulheres que têm atração por mulheres. Não. São mulheres que adotaram posturas conhecidamente masculinas. Só isso.

Exemplifiquemos para que todos saibam sobre o que, exatamente, estou falando...

Caso 1) Ela vai às melhores baladas, seleciona criteriosamente quem está disposta a beijar – ou mais – e beija – ou mais, de novo. Trocam telefone, ela diz que vai ligar, já sabendo que nunca mais quererá encontrá-lo na vida, especialmente na noite, e não liga. Nem no dia seguinte, nem depois, nem depois. Mas, como ele não esqueceu como se faz uma ligação, telefona para ela. “Não... Não lembro de você. Desculpa, você deve ter ligado para o número errado.” Ela desliga o telefone irritadíssima por, além de ele ter ligado, tê-lo feito em seu horário sagrado de trabalho.


Caso 2) Eles estão ficando há tempos, tudo às mil maravilhas! Ele é ótimo na cama e é exatamente o que ela precisa... Uma boa cama para relaxar no final do dia. Sem o compromisso de ligar, sem toda a família e os amigos em volta para dar palpites. Ela até pensa que ele seria um bom namorado. É bom estar com ele. Mas não sabe o que ele gosta de ler, quais são suas paixões, seus medos... Nada disso. Sabe – e adora saber – todas as mais bem elaboradas técnicas de como enlouquecer uma mulher na cama. Um dia, ele resolve visitá-la. Assim, sem avisar, chegou com todo aquele corpo maravilhoso em sua casa. Conheceu mãe, tio, filho, cachorro. Levou presentinho pra todos e queria ficar para passar a noite abraçadinho a ela. A partir daí, tudo o que ele fazia perdeu a graça. Ela não queria companhia. Queria sexo. Será que era tão difícil assim para ele entender?

Caso 3) Ela ama o namorado. Muito. Ele sabe agradar, é carinhoso, sabe cozinhar, manda flores, sua família o adora. Se um dia ela resolver casar, com certeza será com ele! Mas, por enquanto, ela não quer pensar em nada tão definitivo assim. Quer curtir, quer sair, quer badalar. Desacompanhada. Eles saem para jantar e ele a deixa em casa. Ela entra, retoca a maquiagem e sai de novo com as amigas. Ela diz que precisa estudar no final de semana para que ele entenda sua ausência, mas faz uma via sacra em todos os bares da cidade vizinha. Diz que ficou sem bateria e não achava o carregador. Ou diz que não ouviu o celular tocando. Ou simplesmente não diz nada. Não quer perdê-lo. Mas não vai abrir mão das aventuras da vida por causa dele.

Esses são exemplos do chamado “espírito de homem”. Porque parece que houve um tempo em que apenas os homens tinham esse tipo de atitude. Atitudes que causavam sofrimento indescritível nas pobres mulheres... Indefesas mulheres... Ou talvez esse tal espírito é que sempre tenha sofrido uma terrível crise de identidade sexual. Só isso.

4 comentários:

mãe disse...

Que surpresa boa abrir teu blog e encontrar novoz textos , depois de andares sumida. Achei falta ! É uma maneira de estar pertinho de ti ....pois em cada texto , nas entrelinhas , percebo um pouquinho de ti
bjs
mãe

Aguinaldo Medici Severino disse...

ula lá
buito bom.
agora eu gostaria de ler o que você acha dos poor boys...(se é que existem)
bom ano para ti
aguinaldo

Nicole disse...

Noooossa...é a primeira vez que leio seu blog, vc escreve muito bem e com toda a razão...
Adorei e vou ler vários outros agora...
beijos

Sílvia Helena disse...

É Bi...porr girls...heheheh

Bjinhus